Zinco e resfriados: a chave para a prevenção

O resfriado comum, uma infecção viral que afeta principalmente o trato respiratório superior, é uma condição que todos nós enfrentamos em algum momento de nossas vidas. Embora geralmente seja leve, seu impacto na qualidade de vida não deve ser subestimado. Nesse contexto, a suplementação de zinco surge como uma estratégia promissora da medicina ortomolecular para prevenir resfriados, especialmente em crianças.

A relação entre os micronutrientes e a saúde imunológica é um campo de estudo crescente. Em particular, descobriu-se que o zinco desempenha um papel crucial no fortalecimento do sistema imunológico, melhorando as barreiras epiteliais e a imunidade celular, além de contribuir para a produção de anticorpos. Esse elemento é particularmente relevante no contexto do resfriado comum.

Os rinovírus, os principais “culpados” por trás dos resfriados, tendem a desencadear respostas imunológicas inflamatórias nas vias aéreas. O zinco iônico, por meio de mecanismos específicos, pode interferir na ligação e na replicação desses vírus nas células epiteliais nasais e, ao mesmo tempo, reduzir a inflamação nos tecidos afetados. Além disso, a deficiência de zinco tem sido associada a um sistema imunológico enfraquecido, o que reforça a importância do zinco na prevenção de resfriados.

Estudos demonstraram que a suplementação de zinco pode prevenir até 53% dos episódios de resfriado comum em crianças saudáveis com menos de 10 anos de idade. Entretanto, esse efeito benéfico não foi observado de forma tão consistente em adultos saudáveis, mesmo com doses mais altas de zinco. Essa discrepância pode ser atribuída ao fato de que o sistema imunológico das crianças ainda está em desenvolvimento e, portanto, é mais suscetível e sensível aos efeitos do zinco do que o dos adultos.

É importante ressaltar que a eficácia da suplementação de zinco pode depender do nível de zinco no organismo de um indivíduo. Como não existe um valor universalmente aplicável para a deficiência de zinco em adultos, é necessário avaliar os níveis de zinco em cada indivíduo antes de considerar a suplementação.

Além disso, a administração de zinco dentro de 24 horas após o início dos sintomas do resfriado parece ser mais eficaz do que após esse período. A formulação específica do zinco também pode influenciar sua eficácia, por exemplo, o gluconato de zinco demonstrou ser mais eficaz do que o acetato de zinco com efeitos antivirais diretos sobre os rinovírus.

Em resumo, o zinco é postulado como um aliado em potencial na prevenção de resfriados, principalmente em crianças. No entanto, são necessárias mais pesquisas clínicas para entender completamente seu papel e definir as melhores estratégias de suplementação.

 

Referência:

Wang MX, Win SS, Pang J. Zinc Supplementation Reduces Common Cold Duration among Healthy Adults: A Systematic Review of Randomized Controlled Trials with Micronutrients Supplementation. Am J Trop Med Hyg. 2020 Jul;103(1):86-99. doi: 10.4269/ajtmh.19-0718.

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560