Otimizando a vitamina D em bebês: complementando a mãe ou o bebê?

A importância da amamentação como fonte ideal de nutrição para bebês menores de seis meses é indiscutível. Porém, apesar dos inúmeros benefícios da amamentação, surge uma preocupação por parte da Medicina Ortomolecular sobre a possibilidade de que os lactantes amamentados não obterem níveis adequados de vitamina D, seja pela exposição solar ou pelo próprio leite materno.

A deficiência de vitamina D é um problema global, e os bebés, devido a fatores como pigmentação, falta de exposição solar ou localização geográfica, estão mais expostos a estes riscos. Dada a presença naturalmente baixa de vitamina D no leite materno, os bebês que são amamentados exclusivamente podem enfrentar o risco de insuficiência (25-OH vitamina D 30 a 50 nmol/L) ou deficiência (níveis inferiores a 30 nmol/L) de vitamina D.

Essa deficiência em bebês pode levar a diversas condições, tanto ósseas quanto não ósseas. Um deles é o raquitismo nutricional, uma doença óssea associada à deficiência de vitamina D em crianças, caracterizada por má mineralização da cartilagem e dos ossos, atraso no crescimento e deformidades esqueléticas. Bebês que sofrem de raquitismo nutricional geralmente começa entre 3 e 18 meses de idade. É crucial notar que muitos dos danos causados ​​pela deficiência, tais como deformidades esqueléticas, não são reversíveis.

Embora o tratamento do raquitismo nutricional envolva a reposição de vitamina D e cálcio, para a Medicina Ortomolecular a prevenção surge como a estratégia mais eficaz, especialmente em grupos vulneráveis ​​como os lactantes.

Na busca por estratégias eficazes para combater a deficiência de vitamina D em lactantes, surge a questão crucial: a suplementação de vitamina D é mais eficaz quando realizada diretamente nos bebês ou através da mãe durante a amamentação?

De acordo com uma revisão sistemática recente, foi demonstrado que, em 9 dos 19 estudos analisados, a administração de suplementos de vitamina D a nos bebes amamentados, na dose de 400 UI/dia, apresentou um aumento médio de 22,63 nmol/L em 25- Níveis de vitamina D OH (IC 95%: 17,05 a 28,21). Além disso, foi observada uma redução de 23% na incidência de insuficiência de vitamina D (25-OH vitamina D < 50 nmol/L) (IC 95%: 33%, 14%). No entanto, não foram encontrados estudos que investigassem doses mais elevadas (> 400 UI/dia) de vitamina D infantil em comparação com placebo.

Ao examinar a suplementação de vitamina D dada a mães que amamentam em comparação com placebo ou nenhuma intervenção (com um total de 1.907 pares mãe-bebê), um aumento nos níveis infantis de 25-OH vitamina D foi evidente em uma média de 24,60 nmol/l (IC 95%: 21,59 a 27,60). Da mesma forma, foi alcançada uma redução significativa na incidência de insuficiência de vitamina D (25-OH vitamina D < 50 nmol/l) em 35% (IC 95%: 42%, 28%) e deficiência de vitamina D (25-OH vitamina D <30 nmol/L) em 38% (IC 95%: 44%, 32%). Embora a qualidade da evidência fosse baixa, foi destacado que a suplementação de vitamina D para mães lactantes reduziu a incidência de raquitismo bioquímico em 14% (IC 95%: 0,21%, 7%).

É essencial observar que alguns efeitos adversos foram relatados em lactantes, como hipercalcemia e infecções do trato urinário, sugerindo a necessidade de monitoramento cuidadoso.

Em resumo, é importante considerar a suplementação de vitamina D para mães que amamentam ou para seus bebês em populações com alto risco de deficiência. Dar 400 UI de vitamina D por dia ao bebê, ou doses mais altas à mãe que amamenta, pode prevenir a deficiência de vitamina D. Garantir níveis adequados de vitamina D desde o início da vida é crucial para preservar a saúde óssea e prevenir doenças graves associadas à sua deficiência.

Referencia: Tan ML, Abrams SA, Osborn DA. Vitamin D supplementation for term breastfed infants to prevent vitamin D deficiency and improve bone health. Cochrane Database Syst Rev. 2020 Dec 11;12(12):CD013046. doi: 10.1002/14651858.CD013046.pub2. PMID: 33305822; PMCID: PMC8812278. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8812278/

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560