Otimizando a Reprodução Assistida: O Papel do Inositol na Fertilização In Vitro

A qualidade dos oócitos e embriões é um desafio proeminente na fertilização in vitro (FIV), um aspecto crucial na reprodução assistida. Como profissionais de saúde envolvidos na saúde dos nossos pacientes que procuram a FIV, é fundamental ter em conta a idade da mulher, a duração da subfertilidade e os níveis da hormona folículo-estimulante (FSH) como fatores de extrema importância.

Além disso, pesquisas recentes destacam que a suplementação de inositol em programas de fertilização in vitro pode melhorar significativamente a qualidade de oócitos e embriões, apresentando perspectivas promissoras de reprodutibilidade. Como o inositol regula a secreção em diversas glândulas exócrinas, incluindo os ovários, atua como segundo mensageiro nas vias de transdução de sinal, contribuindo potencialmente positivamente para a reprodução assistida.

Foi demonstrado que os tratamentos de fertilização in vitro combinados com mio-inositol melhoram a função ovariana, reduzindo a quantidade necessária de FSH na estimulação ovariana e melhorando a recuperação de oócitos em número e qualidade. As evidências sugerem que o mio-inositol nos ovários é essencial para melhorar a sinalização do FSH, a maturação ovariana e o desenvolvimento embrionário.

Em ensaios incorporando pacientes com síndrome dos ovários policísticos, a administração de mioinositol, na dose média de 4 gramas, e na maioria dos casos combinado com ácido fólico (400 ug), apresentou resultados promissores. A variabilidade no tempo e na duração do tratamento entre os ensaios clínicos foi notável, geralmente administrado uma a duas vezes ao dia. Em outros, o mio-inositol foi administrado durante 3 meses antes e durante a indução controlada da ovulação, enquanto em outro ensaio foi desde o primeiro dia do ciclo até 14 dias após a transferência do embrião.

Uma meta-análise recente de 935 mulheres revelou melhorias significativas na taxa clínica de gravidez [intervalo de confiança (IC) de 95%, 1,04–1,96; p = 0,03], taxa de aborto (IC 95%, 0,08–0,50; p = 0,0006), proporção de embriões de Grau 1 (IC 95%, 1,10–2,74; P = 0,02) e número total de medicamentos para ovulação (IC 95% , –591,69 a –210,39; p= 0,001) em favor do mioinositol.

Esta meta-análise mostrou benefícios muito promissores: como resultado do pré-tratamento com inositol, a taxa de gravidez clínica obtida aumentou 6,13% e a taxa de aborto obtida foi reduzida em 27,08%. O inositol também teve alguns papéis na restauração da ciclicidade menstrual e na ovulação, e no aumento das chances de gravidez espontânea ao resgatar a resposta ovariana às gonadotrofinas endógenas.

Em relação aos possíveis efeitos adversos, as evidências indicam que, até o momento, o uso de mio-inositol em gestantes é seguro e apresentou apenas efeitos colaterais gastrointestinais leves, mesmo na dose de 12 g/dia.

Em resumo, a suplementação de mio-inositol mostrou benefícios promissores para algumas mulheres na indução da ovulação através de fertilização in vitro em tratamentos de reprodução assistida. Suas funções ativas sugerem uma abordagem terapêutica eficaz para tratar a resposta ovariana deficiente em mulheres submetidas a este tipo de tratamento.

 

Referencia: Zheng X, Lin D, Zhang Y, Lin Y, Song J, Li S, Sun Y. Inositol supplement improves clinical pregnancy rate in infertile women undergoing ovulation induction for ICSI or IVF-ET. Medicine (Baltimore). 2017 Dec;96(49):e8842. doi: 10.1097/MD.0000000000008842.

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560