Os componentes dietéticos afetam os mecanismos celulares que regulam o envelhecimento

A atual longevidade, em muitos casos, está associada ao aparecimento de doenças crônicas e fragilidade.

Os padrões alimentares, a manutenção de um estado nutricional e um estilo de vida adequados são importantes, tanto para reduzir o risco de doenças crônicas, incluindo obesidade, doenças cardiovasculares, hipertensão, acidente vascular cerebral, diabetes tipo 2, síndrome metabólica, alguns tipos de câncer e alguns distúrbios neurológicos, quanto para retardar ou demorar o aparecimento da fragilidade.

Padrões alimentares como a dieta mediterrânea demonstraram reduzir o risco cardiovascular, retardar o processo de envelhecimento e retardar o aparecimento da fragilidade, todos caracterizados por inflamação crônica de baixo grau, influenciando processos e respostas inflamatórias crônicas.

Evidências anteriores se concentraram principalmente na ingestão adequada de proteínas, sendo defendida como uma possível intervenção para o manejo da fragilidade em idosos, em virtude dos efeitos protetores na massa muscular e na função física. Posteriormente, outros nutrientes, em particular os hidratos de carbono e os açúcares adicionados, foram também estudados como responsáveis ​​por efeitos negativos no metabolismo durante o envelhecimento e como tendo um papel decisivo na fragilidade. Outras evidências mostram que o aumento da ingestão de carboidratos simples, em detrimento dos complexos na dieta, induz efeitos negativos no envelhecimento, pois está associado a um maior risco de fragilidade.

Em sua análise transversal e longitudinal de até 13 anos de seguimento, Tanaka et al. e Dong et al mostraram que tercis mais altos de consumo de carboidratos foram associados a pior fragilidade, medida pelo índice de fragilidade de 43 itens, maior índice glicêmico e controle inadequado da pressão arterial. Ao contrário, o maior consumo de fibras, avaliado pela relação fibra/carboidrato, foi associado a um menor índice de fragilidade, melhor resposta insulínica e protetor cardiovascular.

Por outro lado, é bem conhecido o efeito prejudicial de uma alta ingestão de açúcares simples no envelhecimento de órgãos e sistemas. Sabe-se que a mortalidade por doenças cardiovasculares aumenta exponencialmente com o aumento dos níveis de consumo de açúcares simples na dieta. Um interessante estudo realizado em modelos animais (camundongos jovens vs. camundongos velhos) confirmou que uma alta ingestão de açúcares simples na dieta está associada à hipertrofia cardíaca, especialmente em camundongos velhos.

Numerosas evidências têm mostrado que um regime adequado de restrição calórica, onde não leva a um estado de desnutrição, produz efeitos benéficos em termos de retardar o envelhecimento e aumentar a expectativa de vida.

Intervenções de jejum intermitente, ao restringir toda a ingestão de calorias sem alterar a quantidade e a qualidade da dieta, proporcionaram múltiplos benefícios à saúde, incluindo redução do peso corporal, massa gorda, valores de pressão arterial sistólica e diastólica, melhora da sensibilidade à insulina, principalmente em adultos com sobrepeso ou obesidade.

Em conclusão, os estudos analisados contribuem para nossa compreensão em como os componentes da dieta e, em geral, um estilo de vida saudável podem afetar os mecanismos celulares que regulam e retardam o envelhecimento, tanto como o aparecimento de fragilidade e doenças crônicas, especialmente doenças cardiovasculares. As evidências apresentadas nesta edição especial também podem contribuir para ajudar os profissionais de saúde a educar seus pacientes e facilitar a adoção de comportamentos alimentares saudáveis.

Referência: Capurso C. Aumentando nossa compreensão de como os componentes dietéticos podem afetar os mecanismos celulares que regulam o envelhecimento e retardam o aparecimento de fragilidade e doenças crônicas. Nutrientes . 2023; 15(12):2687. https://doi.org/10.3390/nu15122687

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560