Obesidade infantil e vitamina D: uma ligação crítica

A prevalência da obesidade infantil continua a aumentar e tem-se observado que esta condição tem um impacto significativo no estado e no metabolismo da vitamina D, aumentando o risco de insuficiência ou deficiência da referida vitamina.

Baixos níveis circulantes de 25(OH)D, indicadores do status geral de vitamina D, podem ser devidos a vários fatores multifatoriais, como ingestão alimentar insuficiente, exposição solar reduzida, função renal prejudicada e aumento do catabolismo causado pela esteatose. Pesquisas revelaram uma relação inversa entre os níveis de 25(OH)D e a composição corporal, sendo a natureza lipofílica desse hormônio o principal responsável pela sua diluição no tecido adiposo, tornando-o indisponível para funções biológicas.

A hipovitaminose D pode piorar o perfil metabólico em crianças e adolescentes obesos, uma vez que a 25(OH)D circulante está positivamente correlacionada com a sensibilidade à insulina. Isto sugere que crianças obesas com níveis deficientes de vitamina D poderiam ser mais propensas ao desenvolvimento de alterações no metabolismo da glicose.

Além disso, os níveis de 25(OH)D parecem estar inversamente relacionados com a prevalência de hipertensão, dislipidemia e aterosclerose, fatores diretamente associados ao risco de síndrome metabólica em fases posteriores.

Uma meta-análise recente que incluiu sete ensaios clínicos randomizados encontrou um aumento médio de 1,6 ng/ml nos níveis de vitamina D em indivíduos tratados com suplementos de vitamina D em comparação com os controles. Contudo, é importante salientar que em alguns estudos foi observado que a percentagem de crianças obesas que atingiram níveis suficientes de vitamina D foi relativamente baixa. Por exemplo, no estudo de Castañeda, a resposta à suplementação de vitamina D3 (2.000 UI uma vez ao dia durante 12 semanas) foi comparada entre adolescentes caucasianos obesos e não obesos. Um aumento significativamente menor nos níveis de 25(OH)D após a suplementação de vitamina D foi observado em adolescentes obesos (alteração média 5,8 vs. 9,8 ng/ml; p = 0,019). Os autores concluíram que há necessidade de utilizar doses mais elevadas de vitamina D para tratar a deficiência em adolescentes obesos em comparação com seus pares não obesos. Essa dificuldade pode ser devida à possível diluição da vitamina D suplementada no tecido adiposo, bem como à limitada exposição solar e ao baixo consumo de alimentos ricos em vitamina D nesta população.

Em acordo com esta observação, o uso de doses mais elevadas tem demonstrado resultados mais eficazes. Em estudo randomizado controlado, Magge et al. observaram que, dos 26 adolescentes obesos (IMC ≥ percentil 95) com deficiência de vitamina D (25OHD < 20 ng/mL) e na fase puberal, após o tratamento, 25OHD aumentou menos no grupo de 1000 UI (5, 6 ng/ml, p = 0,03) em comparação com o grupo de 5.000 UI (15,6 ng/ml, p = 0,002). 83% do grupo de 5.000 UI versus 30% do grupo de 1.000 UI alcançaram 25OHD pós-tratamento ≥ 20 ng/mL (p = 0,01).

Em conclusão, a complexidade de abordar a deficiência de vitamina D em adolescentes obesos sugere a necessidade de doses mais elevadas, apoiando a importância de estratégias de suplementação adequadas para superar os desafios associados à absorção, exposição solar limitada e padrões alimentares inadequados nesta população.

Referência: 

Corsello A, Macchi M, D’Oria V, Pigazzi C, Alberti I, Treglia G, De Cosmi V, Mazzocchi A, Agostoni C, Milani GP. Effects of vitamin D supplementation in obese and overweight children and adolescents: A systematic review and meta-analysis. Pharmacol Res. 2023 Jun;192:106793. doi: 10.1016/j.phrs.2023.106793. Epub 2023 May 11. PMID: 37178775.

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1043661823001494?via%3Dihub#bib36 

 

Complementarios: 

https://karger.com/hrp/article/78/4/226/162132/Response-to-Vitamin-D3-Supplementation-in-Obese 

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2214623718300103

 

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560