O papel do Ácido Fólico, Vitamina D3 e Ômega-3 na Prevenção do Câncer de Mama

A luta contra o câncer de mama tem impulsionado a procura de alternativas eficazes e menos agressivas às estratégias convencionais de tratamento, que muitas vezes enfrentam desafios como a resistência ao tratamento e os efeitos secundários. Nesse contexto, destaca-se a aplicação de nutracêuticos e vitaminas em sua forma natural, principalmente na medicina ortomolecular.

Entre os nutracêuticos, três nutrientes têm chamado a atenção pelo seu potencial impacto: ácido fólico, vitamina D3 e ômega-3.

Uma meta-análise recente apoia a eficácia do ácido fólico, mostrando uma redução significativa de 18% no risco de câncer de mama com receptores hormonais negativos, e uma ingestão diária de 400 microgramas de vitamina B9 (metilfolato) é sugerida como uma medida potencialmente benéfica.

A eficácia da vitamina D3 está intimamente relacionada ao risco de câncer de mama, com efeito protetor evidente tanto nos níveis sanguíneos totais (100 UI/d) como na suplementação. Este benefício poderia ser atribuído à aplicação de 1,25-dihidroxi (OH) em células de câncer de mama, desencadeando dois efeitos fundamentais: primeiro, um impacto antiproliferativo que inibe o crescimento celular e, segundo, um efeito que promove a morte natural dessas células malignas.

Embora o apoio ao efeito protetor dos ácidos graxos poliinsaturados (PUFAs) contra a carcinogênese da mama venha de uma forte base de evidências, tanto de experimentos com animais quanto de estudos in vitro, a pesquisa atual revela que a proporção de PUFA n-3/n-6 desempenha um papel crucial na redução da geração de derivados lipídicos pró-inflamatórios e na modulação de várias vias biológicas importantes.

Em particular, esses PUFAs demonstraram a capacidade de intervir na sinalização do receptor do fator de crescimento e inibir a produção de citocinas. Além disso, há sua influência na via metabólica da ciclooxigenase e da lipoxigenase.

No entanto, apesar dos avanços notáveis, o mecanismo molecular exato pelo qual os PUFA marinhos exercem a sua influência na carcinogênese e angiogênese do câncer de mama ainda não foi completamente elucidado. É crucial notar neste ponto que a conversão limitada de ácido alfa-linolênico na dieta, juntamente com o aumento do consumo de ácido linoléico e variações na escolha dos métodos de cozimento, sugerem que os níveis protetores de EPA e DHA no tecido mamário só podem ser alcançados pelo consumo direto desses ácidos graxos poliinsaturados.

Neste ponto, foi demonstrado que a suplementação de ômega-3 não apenas faz isso de forma eficaz, mas também induz melhorias significativas na proporção de PUFA n-3/n-6 em tecido mamário específico. Esta abordagem direta à entrega de PUFA é essencial para otimizar os seus efeitos benéficos.

Em resumo, a suplementação com ácido fólico, vitamina D3 e ômega-3 mostra-se promissora devido à sua capacidade de inibir eventos moleculares e vias de sinalização ligadas a vários estágios do desenvolvimento do câncer de mama.

 

Referencias: Mokbel K, Mokbel K. Chemoprevention of Breast Cancer With Vitamins and Micronutrients: A Concise Review. In Vivo. 2019 Jul-Aug;33(4):983-997. doi: 10.21873/invivo.11568. PMID: 31280187; PMCID: PMC6689356.

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560