O papel da capsaicina na microbiota e no envelhecimento: uma conexão promissora.

À medida que envelhecemos, nossos órgãos sofrem uma deterioração funcional gradual, aumentando o risco de doenças crônicas. Esse processo está associado ao estresse oxidativo, à inflamação crônica de baixo grau e à disfunção endotelial, que podem afetar a função cerebral e causar comprometimento cognitivo.

A composição da nossa dieta desempenha um papel crucial na saúde e no envelhecimento, assim como os fitoquímicos presentes nos alimentos podem contribuir para afastar as doenças por meio da regulação do metabolismo, e entre eles está a capsaicina.

A capsaicina é um composto encontrado em vários tipos de pimentas, cientificamente conhecidas com o nome de Capsicum annuum, responsável pelo seu sabor picante característico.

As funções dos capsinoides não picantes (capsiate, dihydrocapsiate, nordihydrocapsiate) incluem efeitos analgésicos, antioxidantes, anti-inflamatórios, anticarcinogênicos, moduladores de peso, cardioprotetores, antilitogênicos e moduladores circadianos. Recentemente, foram observadas melhorias na cognição em modelos animais por meio da ativação induzida pela capsaicina do receptor de potencial transitório vaniloide tipo 1 (TRPV1). Essa ativação do TRPV1 reduz a adiposidade, a inflamação sistêmica crônica de baixo grau, o estresse oxidativo e melhora a função endotelial.

Um estudo realizado na China avaliou o consumo de pimenta em 338 pessoas com mais de 40 anos de idade. Foi encontrada uma correlação positiva entre uma dieta rica em capsaicina e pontuações significativamente mais altas no Mini Exame do Estado Mental (MMSE), sugerindo melhorias na função cognitiva em adultos de meia-idade e idosos.

Em outro estudo de coorte realizado na Itália, foram analisados 22.811 residentes durante um período de acompanhamento de 8,2 anos. As pessoas que consumiam pimenta regularmente (pelo menos quatro vezes por semana) tinham um risco 23% menor de mortalidade por todas as causas, e a mortalidade cerebrovascular foi reduzida em mais da metade.

Cada vez mais evidências apoiam a influência da capsaicina (CAP) na composição, abundância e função do microambiente microbiano intestinal, ajudando a eliminar patógenos entéricos e promovendo o crescimento de bactérias benéficas no intestino.

Um estudo realizado por Kang et al. em 2016 mostrou que uma dieta enriquecida com CAP em alta dose e de curto prazo (10 mg/dia por duas semanas) aumenta a abundância bacteriana em indivíduos saudáveis. Essa descoberta sugere que o CAP é um fator determinante para a presença da bactéria Faecalibacterium prausnitzii na microbiota. Além disso, foi observado que as ações do CAP podem depender do enterótipo intestinal do hospedeiro, mostrando benefícios mais proeminentes no enterótipo 1 (enterótipo Bacteroides) em comparação com o enterótipo 2 (enterótipo Prevotella).

Com uma maior compreensão dos mecanismos envolvidos, os fitoquímicos dietéticos, como a CAP, podem se tornar poderosas ferramentas de intervenção para prevenir o envelhecimento e as doenças relacionadas.

 

Bibliografía

Hernández‐Pérez, T., Gómez‐García, M. del R., Valverde, M. E., & Paredes‐López, O. (2020). Capsicum annuum (hot pepper): An ancient Latin‐American crop with outstanding bioactive compounds and nutraceutical potential. A review. Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety. doi:10.1111/1541-4337.12634

 

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560