Interconexão entre Doença Renal Crônica e Perda de Vitaminas: Perspectivas e Estratégias de Suplementação

Cada vez mais, a doença renal crónica (DRC) está a emergir como uma consequência inevitável de condições como a obesidade, a síndrome metabólica e a diabetes. À medida que a doença progride e se recorre à diálise, aumenta a necessidade e a perda de vitaminas solúveis em água.

A DRC se manifesta em diferentes velocidades e níveis de gravidade. As evidências sugerem que a hemodiálise leva a perdas notáveis ​​de vitaminas B1 e B2, bem como a uma redução nos níveis de B6 e biotina, vitaminas com propriedades antioxidantes cruciais na proteção contra a produção de espécies reativas de oxigênio (ROS). Esta perda de vitaminas solúveis em água depende de vários fatores, incluindo as características do dialisador, o fluxo sanguíneo e a composição da membrana. Mas também pode ser influenciada por variantes genéticas, inflamação e estresse oxidativo, bem como pela presença de toxinas urêmicas de origem bacteriana. Em pacientes com DRC, a inflamação intestinal e a deterioração da barreira epitelial aceleram a translocação sistêmica de toxinas urêmicas, estando intimamente ligadas à progressão para Doença Renal Diabética (DKD) e ao acúmulo de metabólitos tóxicos no sangue.

Diante disso, a suplementação apresenta-se como um valioso tratamento adjuvante do ponto de vista ortomolecular.

Uma revisão sistemática recente, analisando a necessidade de suplementação com vitaminas hidrossolúveis nas diferentes fases da DRC, sugere que, nas fases iniciais, nenhuma intervenção é necessária, mas torna-se essencial nas fases posteriores, especialmente nos casos de nutrição inadequada. A inclusão de suplementos como folatos e cobalamina pode trazer benefícios, como a redução do risco de mortalidade associado à proteinúria grave em pacientes hipertensos.

Nos estágios mais avançados destaca-se a importância da niacina, na dose de 400 a 1000 mg, dependendo da tolerância do paciente, na redução dos níveis séricos de fosfato. A hiperfosfatemia é uma condição comum em pacientes com doença renal em estágio terminal, e estudos confirmaram que tanto a niacinamida quanto a niacina são capazes de induzir reduções clinicamente significativas nos níveis séricos de fosfato em pacientes submetidos a diálise.

Além disso, foi observada maior prevalência de deficiência de vitaminas do complexo B e C em pacientes que não recebem suplementação adequada após diálise. Um ensaio clínico com duração de três meses demonstrou que a administração de dois comprimidos após hemodiálise, cada um contendo 50 mg de vitamina B1, 10 mg de vitamina B2, 40 mg de vitamina B6, 3 mg de vitamina B9 e 200 mg de vitamina C, preveniu deficiências plasmáticas nos pacientes.

Conforme mencionado, a inflamação crônica é a principal causa de doença cardiovascular em pacientes submetidos à hemodiálise. A vitamina C, sendo um importante antioxidante, pode efetivamente reduzir a inflamação e também atuar como uma terapia potencial para melhorar o tratamento da anemia, facilitando a mobilização do ferro. Benefícios foram observados com doses de 300 mg, três vezes por semana, por aumentar a disponibilidade de ferro para a eritropoiese e melhorar a correção da anemia em pacientes com anemia ferropriva funcional em hemodiálise. É essencial observar que a administração de altas doses de vitamina C, como 50 mg/kg quatro vezes ao dia por via intravenosa, acarreta um alto risco de nefropatia por oxalato. Além disso, a vitamina C tem se revelado um suplemento eficaz e seguro no tratamento da síndrome das pernas inquietas (SPI) em pacientes submetidos à hemodiálise.

 

Referencias: Kędzierska-Kapuza K, Szczuko U, Stolińska H, Bakaloudi DR, Wierzba W, Szczuko M. Demand for Water-Soluble Vitamins in a Group of Patients with CKD versus Interventions and Supplementation-A Systematic Review. Nutrients. 2023 Feb 8;15(4):860. doi: 10.3390/nu15040860. PMID: 36839219; PMCID: PMC9964313.

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/36839219/

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560