Impacto da suplementação de vitamina D nos anticorpos e na função tireoidiana em pacientes com tireoidite de Hashimoto.

A tireoidite de Hashimoto (TH) destaca-se como a forma predominante de tireoidite autoimune e constitui a principal causa de hipotireoidismo em regiões com deficiência de iodo em todo o mundo. Embora a sua etiologia ainda esteja em debate, tem sido associada principalmente à susceptibilidade genética e a vários fatores ambientais, incluindo a ingestão excessiva de iodo, deficiência de selênio, infecções virais como a hepatite C e insuficiência de vitamina D, entre outros.

A Prática Ortomolecular há muito reconhece o papel crítico que a vitamina D desempenha na regulação do sistema imunitário e na sua ligação à tiroidite de Hashimoto. Tem sido consistentemente observado que pacientes com TH apresentam níveis séricos mais baixos de 25(OH)D em comparação com indivíduos saudáveis, com prevalência significativa de deficiência ou insuficiência de vitamina D. Além disso, foi documentada uma correlação inversa entre os níveis séricos de 25(OH)D e títulos séricos de TPO-Ab em pacientes com TH e função tireoidiana normal. Da mesma forma, vários estudos demonstraram uma relação inversa entre os níveis séricos de 25(OH)D e o hormônio estimulador da tireoide (TSH) em pacientes com TH.

E por que isso é relevante? A vitamina D desempenha um papel essencial no equilíbrio entre as células pró-inflamatórias, como as células Th1 e Th17, e as células anti-inflamatórias, como as células Th2 e Tregs. Além disso, exerce efeitos inibitórios na proliferação de células B e na apresentação de antígenos, potencialmente subjacentes ao seu potencial terapêutico na TH.

Em 2023, foi realizada uma meta-análise que incorporou um total de 12 ensaios clínicos randomizados, abrangendo 862 pessoas, sendo 429 pacientes no grupo de tratamento e 423 no grupo de controle. A estratégia de intervenção consistiu na administração de vitamina D juntamente com comprimidos de tiroxina. Em pacientes com função tireoidiana normal ou hipotireoidismo subclínico, os grupos de tratamento receberam exclusivamente vitamina D em monoterapia. Entre esses estudos, dois utilizaram calcitriol, dois utilizaram vitamina D2 e um utilizou vitamina D3, enquanto os grupos controle receberam placebo ou não receberam nenhum tratamento específico. A duração do acompanhamento de seis estudos foi superior a 12 semanas, enquanto os seis estudos restantes mantiveram uma duração de acompanhamento ≤ 12 semanas.

Observou-se que a suplementação de vitamina D teve impacto significativo na redução dos títulos de TPO-Ab (SMD = −1,084, IC 95% = −1,624 a −0,545) e TG-Ab (SMD = −0,996, IC 95% = −1,579 a -0,413) em pacientes com TH, e também melhorou a função tireoidiana ao diminuir os níveis de TSH (SMD = -0,167, IC 95% = -0,302 a -0,031) e aumentar os níveis de T3L (SMD = 0,549, IC 95% = 0,077–1,020) e T4L (SMD = 0,734, IC 95% = 0,184–1,285). É importante ressaltar que a forma ativa da vitamina D (calcitriol) apresentou uma redução mais pronunciada nos títulos de TPO-Ab em comparação com as formas inativas (vitamina D2 ou D3). Além disso, observou-se que tratamentos com uma duração superior a 12 semanas resultaram em redução mais eficaz dos níveis de TPO-Ab e aumento mais significativo dos níveis de T4L e T3L em pacientes com hipertensão arterial (metarregressão p < 0,05).

Referência: An P, Wan S, Luo Y, Luo J, Zhang X, Zhou S, Xu T, He J, Mechanick JI, Wu WC, Ren F, Liu S. Micronutrient Supplementation to Reduce Cardiovascular Risk. J Am Coll Cardiol. 2022 Dec 13;80(24):2269-2285. doi: 10.1016/j.jacc.2022.09.048. PMID: 36480969.