Suplementação de vitamina A associada a fatores inflamatórios, PCR, TNF-α e IL-6

A inflamação é caracterizada por um aumento de citocinas no fluxo sanguíneo durante a lesão tecidual. As citocinas da fase aguda aumentam durante o processo inflamatório. Essas citocinas incluem interleucina-6 2 (IL-6), interleucina-1 (IL-1), proteína C reativa de alta sensibilidade e fator de necrose tumoral alfa (TNF-α).

Estudos recentes relataram que a deficiência de vitamina A leva à supressão do sistema imunológico, causa inflamação e exacerba condições inflamatórias pré-existentes. Por sua vez, alguns estudos indicaram que a inflamação sistémica aumenta a deficiência de vitamina A. E embora existam múltiplas hipóteses da sua associação, a razão para esta diminuição dos quadros inflamatórios pode estar relacionada com os baixos níveis da proteína ligadora de retinol. Além disso, alguns estudos relataram que o retinol plasmático diminui durante condições inflamatórias e sépticas através da secreção de retinol na urina.

Entre os marcadores inflamatórios, tem sido destacado o impacto significativamente benéfico da suplementação de vitamina A na interleucina-6 (IL-6). Em ensaios clínicos utilizando palmitato de retinol, foi observada uma associação inversa com a suplementação de 50.000 UI/dia em pacientes com infecções crônicas por hepatite B.

A interleucina-6 (IL-6) tende a aumentar nos estágios iniciais das infecções, e ensaios clínicos randomizados indicaram que poderia ser usada como marcador prognóstico na COVID-19 para diagnosticar o estágio inicial da doença. A inibição da IL-6 pode ser considerada um novo alvo terapêutico para o tratamento de respostas desreguladas do hospedeiro em pacientes com COVID-19. Além disso, as evidências sugerem que a IL-6 tem potencial para avaliar tempestades de citocinas em várias condições de sepse. Alguns estudos demonstraram uma associação inversa entre a suplementação de vitamina A e as concentrações plasmáticas e fecais de IL-6 em múltiplas condições infecciosas.

O TNF-α também é um sinal importante nas doenças inflamatórias. Ativa uma série de indicadores inflamatórios e desempenha papéis importantes em tumores malignos, além da interleucina-1. Também pode causar caquexia por influenciar o apetite.

As evidências até agora indicam que as respostas da PCR, IL6 e TNF-α à vitamina A variam dependendo da dose, da duração da ingestão e do estado de saúde dos consumidores. A suplementação com palmitato de retinol em doses de (10.000 e 50.000 UI/dia) reduziu os níveis de TNF-α. E embora sejam necessárias mais pesquisas para ver como a suplementação de vitamina A afeta outros indicadores inflamatórios em adultos, seu uso pode ajudar a reduzir a inflamação em algumas circunstâncias.

Referência

Gholizadeh M, Basafa Roodi P, Abaj F, Shab-Bidar S, Saedisomeolia A, Asbaghi O, Lak M. Influence of Vitamin A supplementation on inflammatory biomarkers in adults: a systematic review and meta-analysis of randomized clinical trials. Sci Rep. 2022 Dec 10;12(1):21384. doi: 10.1038/s41598-022-23919-x. PMID: 36496428; PMCID: PMC9735279.

Pós-graduações: (11) 98980-1238 Outros assuntos: (11) 94626-1560